quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Que tipo de soluções energéticas você utilizaria em seu projeto?


  • Sistema Fotovoltáico

    Os sistemas fotovoltaicos convertem a energia do sol em energia elétrica, a este processo de transformação da luz em eletricidade chama-se efeito fotovoltaíco. Existem alguns tipos de coletores fotovoltaicos e todos requerem pouca manutenção e tem um tempo útil de vida bastante longo, 20 anos ou mais.

    A recente alteração da legislação para o regime de micro produção possibilita o investimento em sistemas fotovoltaicos domésticos para ligação à rede de distribuição de eletricidade, numa oportunidade de negócio muito interessante para os particulares que disponham das condições necessárias para este tipo instalações.

    A legislação permite, sucintamente, que qualquer particular que já possua uma instalação de solar térmico com um mínimo de 2 m2 de captação, se possa propor a vender toda a energia elétrica que consiga produzir através dos coletores solares fotovoltaicos a um preço fixado de 0,65€/kW, tendo como limites uma potência máxima a instalar de 50% da potência contratada à rede, nunca podendo exceder os 3,68 kW.

  • Energia Geotérmica

    O centro da Terra dista aproximadamente 6 400 km da superfície, encontrando-se a uma temperatura que deverá ultrapassar os 5000 ºC. O calor proveniente do centro da Terra é transportado por condução, em direção à superfície, aquecendo as camadas rochosas que constituem o manto.

    A medida que vamos descendo na crosta terrestre a temperatura vai aumentado, logo podemos aproveitar essa energia através de Bombas de calor geotérmicas.

    Os sistemas de bombas de calor podem funcionar a água - água, ar - água ou a ar - ar. Estes aproveitam as diferenças de temperatura entre o solo e o ambiente, fornecendo calor e frio. O sistema é constituído por ligações ao subsolo (tubagens com um fluido no interior) que são enterrados horizontal ou verticalmente no subsolo, bomba de calor que no Inverno remove o calor do solo, concentra-o e fornece-o ao edifício e no Verão o processo é revertido, e um sistema de distribuição constituído por um sistema tradicional de canalizações para transporte de calor ou frio.

    A geotermica, contrariamente a outras energias renováveis, não está dependente das condições atmosféricas (sol, chuva, vento), revelando-se uma fonte estável e com rendimentos impressionantes.

  • Solar Térmica

    A energia solar térmica tem uma importância fundamental e é uma das áreas das energias renováveis com uma maior taxa de crescimento no mundo.

    De todas as formas de energia que consumimos, a energia térmica é das que tem mais peso, quer seja nos nossos lares para águas quentes sanitárias, aquecimento ambiente ou piscinas, quer seja em aplicações industriais, complexos desportivos, ginásios, hotéis, etc.

    A energia do sol é facilmente convertível em energia térmica, com tecnologias completamente amadurecidas, com rendimentos muito elevados e com prazos de retorno do investimento cada vez mais curtos, devido, acima de tudo, ao aumento do preço dos combustíveis.

    Faz, portanto, todo o sentido que aproveitemos essa energia gratuita para diminuirmos a dependência exclusiva de combustíveis fósseis ou eletricidade (da qual a maior parte tem a sua origem nestes combustíveis).

    No seguimento desta lógica, da aplicação das políticas internacionais e dos compromissos assumidos por Portugal, foi recentemente integrado na nossa legislação a obrigatoriedade de instalação de coletores solares térmicos para produção de águas quentes sanitárias em todos edifícios de habitação, através do Decreto-Lei 80/2006-RCCTE.

  • Energia Eólica
    A energia do vento é mais uma fonte de energia de que dispomos e que podemos aproveitar para produzir eletricidade, tanto através dos grandes parques eólicos que todos conhecemos, como através de pequenas instalações de aero geradores de baixa potência para as mais variadas aplicações.

    As turbinas eólicas têm a função de transformar a energia do vento em energia mecânica, que conseqüentemente a transforma em energia elétrica.

  • Frenagem Regenerativa de Elevadores

    Uso de tecnologia frenagem degenerativa, pioneira no Brasil, que transfere a energia dissipada na descida de um elevador para outro que está subindo

    O sistema de frenagem regenerativa permite a utilização de parte da energia devolvida pelo elevador durante seu funcionamento para a rede elétrica interna da edificação, resultando em expressiva economia de energia (em torno de 25% a 35% da energia elétrica consumida pelo elevador será devolvida para a rede elétrica). No sistema convencional, parte da energia da rede elétrica devolvida pelo elevador é dissipada num banco de resistores e transformada em calor. Isso acontece, porque o elevador devolve parte da energia consumida em dois momentos: quando sobe com a cabina abaixo da metade da sua capacidade ou quando desce com a capacidade acima de 50%. Mas, na realidade, essa energia é desperdiçada, pois não há necessidade de aquecer a casa de máquinas, única utilidade para a energia elétrica transformada em calor. A utilização da energia devolvida tanto pode ser para o sistema de elevadores (um consome a energia devolvida pelo outro), ou para a utilização do prédio como um todo (quando todos os elevadores estiverem devolvendo energia ao mesmo tempo). Neste caso, o medidor de energia do prédio vai registrar um menor consumo de energia da concessionária.

  • Uso de Lâmpadas Econômicas

    A prática consiste em se prever em projeto, a utilização preferencial de lâmpadas com grande eficiência e menor consumo de energia.

    Como exemplo pode-se comparar lâmpadas incandescentes que consomem 5 vezes mais do que lâmpadas florescentes tubulares.


    Fonte: Sinersol

Nenhum comentário:

Postar um comentário